Minha Lembrança Suja
 
Lave, A minha memória suja neste rio de lama, Com a ponta da língua me limpe inteiro,
E não deixe o mínimo vestígio, De tudo, Que me liga e que me cansa, Infelizmente!
 
Cace, Persiga-a em mim, é apenas em mim que ela vive, E quando a tiver na mira do teu fuzil,
Não ouça se ela te implora, Você sabe, Que ela deve morrer uma segunda morte
Então, Mate-a… outra vez.
 
Chore! Eu fiz isso antes de você e não serve de nada, De que adianta inundar as almofadas com soluços? Eu tentei, eu tentei Mas tenho O coração seco e os olhos inchados, Mas tenho
O coração seco e os olhos inchados
 
Então queime! Queime quando você se afundar na minha grande cama de gelo
Minha cama como uma banquisa que derrete quando você me enlace, E mais nada é triste
E mais nada é grave, Se tenho… O teu corpo como uma torrente de lava
Minha memória suja no seu rio de lama, Lave!
 
Lave!
A minha memória suja neste rio de lama
Lave!

Minha Lembrança Suja

 

Lave, A minha memória suja neste rio de lama, Com a ponta da língua me limpe inteiro,

E não deixe o mínimo vestígio, De tudo, Que me liga e que me cansa, Infelizmente!

 

Cace, Persiga-a em mim, é apenas em mim que ela vive, E quando a tiver na mira do teu fuzil,

Não ouça se ela te implora, Você sabe, Que ela deve morrer uma segunda morte

Então, Mate-a… outra vez.

 

Chore! Eu fiz isso antes de você e não serve de nada, De que adianta inundar as almofadas com soluços? Eu tentei, eu tentei Mas tenho O coração seco e os olhos inchados, Mas tenho

O coração seco e os olhos inchados

 

Então queime! Queime quando você se afundar na minha grande cama de gelo

Minha cama como uma banquisa que derrete quando você me enlace, E mais nada é triste

E mais nada é grave, Se tenho… O teu corpo como uma torrente de lava

Minha memória suja no seu rio de lama, Lave!

 

Lave!

A minha memória suja neste rio de lama

Lave!